Rio Bonito (RJ) foi presenteado, neste fim de ano, com a Exposição de Pintura “Histórias... Memórias... Momentos...” da artista plástica Ariane Rodrigues Marins. O local escolhido para tal evento nada melhor do que o casarão em que seus avós moraram na Avenida Sete de Maio,43, no Centro da cidade. Segundo a artista, o lugar conta muito de sua história de vida. “Aqui tem toda a minha história e meus momentos de família. Essa exposição não poderia ser em outro lugar”, disse emocionada.

Aberta ao público desde o dia 30 de novembro, a mostra foi encerrada hoje recebendo diversos convidados. De acordo com Ariane, essa exposição não será montada em outro lugar por ter sido preparada especificamente para a casa citada devido à sua relação pessoal com o imóvel.

Em cada tela, muita emoção retratada em verdadeiras fotografias, onde ela revelou ao público flashes dos momentos vividos ao lado de seus entes queridos, em tons abstratos  ou não, exibindo algumas das viagens feitas com os filhos, cenas da natureza, a tela da própria casa onde foi instalada a mostra e até um quadro retratou a primeira missa em Rio Bonito ocorrida em 27 Agosto de 1768 pelo padre Antonio dos Santos Ribeiro.

Enfim, a artista plástica, com esta iniciativa,  dividiu um pouco de sua vida pessoal com o público e, sem dúvida, conseguiu mexer com o sentimento de todos os visitantes. E Rio Bonito já aguarda a próxima mostra desse orgulho riobonitense chamado Ariane Rodrigues Marins. Viva!
Um pouco mais da mostra:







Fotos: Edson Soares / Divulgação

Eduardo Sacchiero, maquiador de Hebe Camargo e Gugu, lança livro contando segredo que salvou sua vida

02 dezembro 2019 |



O livro “Ela salvou minha vida, de Eduardo Sacchiero, em parceria com a jornalista Renata Rode e a Editora Leader, terá lançamento dia 17 de dezembro, 19 horas, na Livraria da Vila, na Vila Madalena.

No livro, Eduardo Sacchiero, 41 anos, o maquiador oficial de Hebe Camargo relata, em 13 Capítulos, sua trajetória enquanto maquiador da diva da tv brasileira, Hebe Camargo.
Com depoimentos emocionantes de artistas, clientes e familiares do autor, Ela salvou minha vida é mais do que um relato, é uma declaração de amor de Eduardo a quem salvou, literalmente, sua vida. Um episódio que manteve em segredo por 11 anos e, agora, nesse livro, ele expõe como forma de agradecimento e para que todos conheçam o lado generoso, afetuoso e também divertido de Hebe Camargo.


Eduardo já fazia parte dos maquiadores do SBT, e, na época era o responsável pelo make de Gugu e da cantora Alcione que disse: “Conheci Edu Sacchiero (para mim, Dudu) nos bastidores do SBT e logo o convidei para me maquiar na temporada que estava fazendo em São Paulo. De lá para cá, são mais de 15 anos de parceria. Eduardo além de ser um grande maquiador, ele tem todas as características que eu amo em um profissional: caráter, pontualidade, o carinho com todos e o mesmo esmero no seu trabalho. Beijos da sua cantora. Alcione

Gugu também deixou seu depoimento em 11 de novembro de 2019: “É muito fácil gostar e admirar o ser humano e profissional Edu Sacchiero. De fácil convivência, ele se destaca pela dedicação e extrema vontade de dar o seu melhor. A palavra impossível não faz parte do seu vocabulário. E o mais importante é a qualidade do seu caráter!”

Sacchiero manda uma mensagem a jato para o Céu: “recebam meu beijo grato e saudoso e distribuam alegria a todos!”.

Toda a renda obtida na venda do livro Ela salvou minha vida, será revertida ao GRAAC, que promove tratamento para crianças com câncer.


Lançamento do livro Ela salvou minha vida, Editora Leader
Dia 17 de dezembro 2019
Das 19hs as 21:30 hs.
Livraria da Vila
Rua Fradique Coutinho, 915 – Vila Madalena – SP
178 páginas
Preço sugerido: R$49,90
Entrada gratuita.

Foto1: Internet
Foto2: Internet
Foto3: Divulgação (Capa do livro)

Grupo ‘União Faz a Força’ ganha as ruas de Tanguá em busca de alimentos para um Natal sem Fome

30 novembro 2019 |



Hoje o município de Tanguá (RJ) amanheceu com ar de solidariedade. E a “culpa” disso é, totalmente, do grupo “União Faz a Força”, coordenado pelo jovem Ervani Santos, 38 anos. Exatamente às 9h o grupo se reuniu no Posto Ypiranga, no bairro Pinhão, e, dali, seguindo um carro de som patrocinado pela empresa “+Net” percorreu várias ruas até próximo ao Ciep, na BR 101. Na oportunidade, bateram de casa em casa para explicar que a iniciativa do grupo era arrecadar alimentos e permitir que dezenas de famílias menos favorecidas no município tenham um Natal sem fome. Impressionante o sentimento dos moradores. Diversos deles chegavam a chamar, de longe, os integrantes do grupo para fazerem a doação.
O evento intitulado “Caminhada Natalina para um Natal sem Fome” foi idealizado pelo fundador e presidente do grupo, Ervani Santos, com apoio total do amigo e sonoplasta José Antonio de Mesquita, 45 anos, mais conhecido como “Zé Gotinha” que, há cerca de um ano faz parte desse trabalho. “Estou gostando de participar do grupo cada vez mais. Hoje, inclusive, em especial porque vi o interesse das pessoas em ajudar, colaborar para benefício do próximo. Chego me arrepiar”, disse Mesquita.

Em companhia dos amigos, chegava nas casas e estabelecimentos explicando o real motivo de estarem ali e ganhava a afeição dos moradores. “Nasci para ajudar as pessoas que necessitam. Nunca tive grandes bens na vida, mas só em ter saúde para ajudar o próximo já me sinto bem”, confessou o sonoplasta que, mesmo tendo trabalhado a noite inteira, não faltou o compromisso.
Da mesma forma, a técnica em Enfermagem Andreia Gomes, 42 anos, também compareceu. Está no grupo há um ano e conhece o Ervani há mais de dez. Antes de percorrerem o bairro, ela falou de sua expectativa. “Espero que este seja o melhor evento de todos que já realizamos. Tomara que a gente arrecade bastante alimentos. Depois, iremos montar as cestas básicas para entregar nas comunidades que mais precisam”, informou.

Durante todo o trajeto o locutor Daniel Salles, 39 anos, estava dentro do carro de som, à frente da comitiva, explicando aos moradores o motivo da Caminhada e, automaticamente, convidando a todos para participarem desse gesto de amor. “Esse desprendimento das pessoas em, voluntariamente, ajudarem sem interesse algum e o empenho desse grupo vou traduzir com a palavra ‘sucesso’, ou seja, embora o local não tenha tantas casas assim, muitos colaboraram”, destacou.
Há nove anos, Ervani Santos faz esse trabalho de arrecadar alimentos em asilos, com shows e convidados especiais no intuito de arrecadar alimentos para auxiliar esses locais que tanto precisam. De lá para cá, contou como apoio de muitos colaboradores. Porém, segundo ele, muitos não prosseguiram. “Quando pensei em desanimar quem me incentivou a continuar foram meus pais Neiva e Hermínio Coutinho e, hoje, o Grupo União Faz a Força só tem a crescer em prol do próximo”, frisou acompanhado de seus pais, esposa e filho.

Como balanço do evento, o presidente deu sua palavra final. “Foi muito gratificante. Mesmo sendo no final do mês algumas pessoas colaboraram como que puderam. Faremos outra Caminhada antes do final do ano, no bairro Vila Côrtes, e gostaria de contar com a participação de mais voluntários”, convidou.
Mais um pouco do evento:















Fotos: Edson Soares

Vitória Furtado e Sidcley Bastista em cartaz no Teatro Candido Mendes

25 novembro 2019 |



“No Escuro ou o que faz uma mariposa sem uma lâmpada", comédia melodramática de Jaú Sant`Angelo, baseada no texto de Carlos Gorotiza, dirigida por Jefferson Almeida, que traduz o espetáculo como uma homenagem aos trabalhadores do teatro.

A montagem traz Vitória Furtado e Sidcley Batista, nos papéis de Laura, uma mulher que vai reviver sua atriz de duas décadas atrás, e vai flertar com a loucura, e de seu marido Bento, que tenta devolvê-la à vida real.

Tudo no espetáculo é metalinguagem. A base da encenação é uma peça dentro de uma peça, o teatro como cenário e como receptáculo de um cenário, uma personagem em busca de si através de personagens, provocar uma pequena reflexão sobre o trabalho por trás da mágica. 

Foto: Divulgação
                                                             

Henrique Lopes relata sua arte há 30 Anos

20 novembro 2019 |



Um artista que evolui com as experiências que coleciona em sua carreira tem sempre algo mais a presentear ao público. E para o ator Henrique Lopes isso não é diferente. A primeira peça que participou foi “Pluft, o Fantasminha “, aos 14 anos, em 1990, no último ano em que morou em Brasília, onde residiu por 4 anos com a família. “Lá fui mordido pelo ‘bichinho do teatro’, me apaixonei de cara por esta atmosfera!”, brinca.

Quando voltou para o Rio, fez aulas de Teatro com Demétrio Nicolau, no antigo Teatro de Arena, em Copacabana, de 1992 a 1994 e não parou mais. Fez alguns trabalhos como assistente de produção, mas "Alegria da Matinê" que vai estrear em dezembro no Teatro Municipal Maria Clara Machado, na Gávea (RJ) será a segunda peça que atua como produtor. A primeira foi “Maria Minhoca”, também de Maria Clara Machado – peça premiada como Melhor Espetáculo que produziu para estar em cena interpretando o personagem “Chiquinho Colibri”, de 2013 a 2017.

O CULTURA VIVA conversou hoje com Henrique Lopes e este artista de peso no país tracejou sua arte que, em 2020, completará 30 anos.

Acompanhe!

CULTURA VIVA: Sempre se dedicou ao público infantil? Qual foi o outro espetáculo dedicado às crianças que teve grande desempenho?
HENRIQUE LOPES: Negativo. Fiz peças adultas também, trabalhei com Mauro Mendonça, Xuxa Lopes, Maria Maya, Edson Celulari, Ary Fontoura, Marília Pêra, entre outros, mas amo trabalhar para as crianças, um público puro e sincero. Outro espetáculo infantil que tive grande desempenho foi “Como a Lua”, de Vladimir Capella, dirigido por Afonnso Drumond.  Eram mais de cem concorrentes para o papel do índio protagonista. Fiquei entre os 10 finalistas e acabei ganhando o papel do “pobre” Payá, em 2005 e 2006. Ficamos em cartaz no Teatro Leblon e rodamos o Rio de Janeiro nos palcos do SESC/ CBTIJ.

C.V.: Em sua opinião a música complementa o trabalho feito para as crianças? Assim, elas entendem melhor a proposta?
H.L.: Certamente. Ainda mais neste espetáculo ("Alegria da Matinê"), que selecionei músicas vibrantes para a trilha sonora.


C.V.: No espetáculo "Alegria da Matinê" você promove um show misturando modernidade e antiguidade, ou seja, um palhaço DJ faz remixagens de canções infantis antigas. Mesmo não vivendo àquela época as crianças curtem o som?
H.L.: Não tem muita modernidade não (risos), uso uma vitrola ligada numa caixa amplificadora, coloco o disco de vinil e deixo a música rolar na íntegra, sem alterações, para as crianças conhecerem a música original. Sim, as crianças adoram, dançam sem parar e os pais vivem momentos nostálgicos a cada música.

C.V.: Quais critérios você estabeleceu para montar esse espetáculo?
H.L.: Eu ficava inconformado de ouvir músicas inadequadas em festas infantis e me inspirei nas situações interessantes que surgiram nas festas que animo como DJ PALHAÇO IKE VINIL. Quis justamente, resgatar a importância da vitrola e dos discos de vinil.

C.V.: Na seleção de artista que você toca durante o espetáculo, quais aqueles que deu mais prioridade?
H.L.: Todos os artistas que escolhi para essa trilha sonora têm muita importância, maior destaque para o Palhaço Carequinha, por toda sua obra e Donna Summer, a rainha da Discoteca e da Dance Music, que é homenageada no final. Ih! Contei o final! (risos)

C.V.: E os pais como se comportam durante o espetáculo?
H.L.: Os pais ficam muito felizes e incrédulos ao verem os filhos curtindo as músicas do fundo do baú. Na página da peça no Facebook (https://www.facebook.com/Alegria-da-Matin%C3%AA-com-o-Dj-Palha%C3%A7o-Ike-Vinil-199331320753964/), podem conferir depoimentos de alguns pais que assistiram. Já me falaram algumas vezes que foi o melhor espetáculo que o filho já viu. E eu acreditei (risos).


C.V.: Que recado você deixa para que toda família participe desse espetáculo cheio de surpresas?
H.L.: Que não deixem de ver esse espetáculo educativo e interativo, feito com muito amor e carinho por uma equipe competente e que, certamente, ficará marcada para sempre na memória das crianças e acompanhantes. Peço, também, que curtam as páginas da “ALEGRIA DA MATINÊ COM O DJ PALHAÇO IKE VINIL “ no Facebook e Instagram. Obrigado! E lembrem-se: DISCO É CULTURA!

Foto1: Andrea Elkind
Foto2: Cintia Ferreira
Foto3: Divulgação

Ninguém te amou assim

17 novembro 2019 |


Se você quer brincar
Eu posso ser a chuva
Molhando os teus cabelos
Sentir teu coração
Sentir o teu apelo

E se quiser amar
Vou ser teu namorado
E se quiser chover
Faço em papel marchê
Um céu enluarado

Invento um mundo só pra gente
Tudo diferente, nosso paraíso
Vento que ventou saudade
Traz felicidade
Meu primeiro amor

Ninguém te amou assim
Do jeito que eu te amo
Cuida do que é teu
No fundo eu sei que eu
Sou parte dos teus planos

Ninguém te amou assim
Do jeito que eu te amo
Não deixa eu te deixar
Não dá pra separar
O azul do oceano    

*Artista: Gerson Cardozo
*Foto: Internet

DJ Palhaço Ike Vinil faz a festa da garotada com a ‘Alegria da Matinê’

15 novembro 2019 |



Num país onde é tão difícil estar em cena, o DJ Palhaço  Ike Vinil chega para animar a família brasileira.

A união de  poucos e bons profissionais resultou na realização do  projeto: “Alegria da Matinê, com o DJ PALHAÇO  IKE VINIL”.


Um espetáculo infantil interativo para toda família, que resgata a importância da vitrola e dos discos de vinil, trazendo no repertório músicas do Palhaço Carequinha, Vinícius de Moraes, Ney Matogrosso, A Turma do Balão Mágico, Xuxa, dentre outros.


Ator, produtor, microempreendedor individual, o jovem Henrique Lopes montou a peça sem patrocínio, com recursos próprios e apoio de amigos que acreditaram no projeto.  



Ficha Técnica

Com direção de Mauricio Silveira,  cenário & figurino de Moisés Freire, assistência de Cintia Ferreira, o ator & DJ Henrique Lopes faz do palco uma boate colorida para as crianças dançarem e o final é animado para os pais e acompanhantes, que deliram ao som de Donna Summer e Menudo.

Texto: Henrique Lopes & Mauricio Silveira;
Direção: Mauricio Silveira;
Ator: Henrique Lopes;
Cenário & Figurino: Moisés Freire;
Assistente de Produção: Cintia Ferreira;

Alegria da Matinê, com o DJ PALHAÇO  IKE VINIL
Local: Teatro Municipal Maria Clara Machado
Endereço: Av. Padre Leonel Franca, 240, Gávea, RJ.
Tel.: (21) 2274-7722
Sábados e domingos
Datas: 14,15, 21 e 22/12/2019 e 11, 12, 18 e 19/01/2020
Horário: 16h
Classificação: LIVRE
50 minutos;
Realização: Cirque Du Ike Cia Teatral;
Apoio: Edson Lopes Assessoria Imobiliária / Delírio Tropical / Meating Homemade Burgers

Fotos: Zacky Barreto


Vicentini Gomez em duas reprises de novelas simultâneas

13 novembro 2019 |



Vicentini Gomez é filho da roça - de pais agricultores - saltou de sua cidade natal, Presidente Prudente, e ganhou o mundo. Com o teatro mambembou  por todo o Brasil, Europa e América do Sul. Com o cinema e a televisão foi visto em todos os continentes. Atuou em trabalhos relevantes, destacado pela crítica especializada e conquistou diversos prêmios. No Brasil e Exterior.


Atualmente, está em duas telenovelas – reprise - de sucesso:Avenida Brasil, na TV Globo,  onde representa o Serjão, o sequestrador atrapalhado da Carminha (Adriana Esteves) e, em Cumplices de um Resgate, no SBT, onde representa o italiano Giuseppe Cavichioli, marido da Fiorina (Barbara Bruno).

‘Marcia Peltier Entrevista’ Kledir na Rádio JB FM

11 novembro 2019 |



O Programa “Marcia Peltier Entrevista”  traz  na semana  entre  11 e 17 de novembro   a conversa  com o cantor e compositor Kledir, da dupla Kleiton e Kledir.

Os irmãos gaúchos da cidade de Pelotas estouraram no cenário musical brasileiro no final dos anos 70. O primeiro disco ‘K&K’’ foi um sucesso imediato.
De lá para cá, Kleiton e Kledir gravaram mais de 20 discos em português e um em espanhol. Fizeram shows  por todo o Brasil e também em vários países da América Latina e da Europa e nos EUA.
Ganharam vários prêmios, entre eles o ‘’Prêmio da Música Brasileira’’.
A canção ‘’Deu Pra Ti’’, grande sucesso da dupla, foi inspiração do enredo da escola de samba Caprichosos de Pilares no Rio.

Durante a conversa com Marcia Peltier, Kledir falou do novo show que a dupla está fazendo com o grupo gaúcho Nenhum de Nós, do álbum  ‘’Com Todas as Letras’’, que tem várias letras feitas por grandes escritores gaúchos como Luis Fernando Veríssimo, Caio Fernando Abreu, Martha Medeiros ,de como foi a primeira aparição nacional deles no Festival da TV Tupi em 1979,de terem tornado nacionais gírias e expressões próprias do Sul e explica a proposta do show ‘’Casa Ramil’’ que junta vários integrantes da família.

Você não pode perder  Kledir no Marcia Peltier Entrevista na
rádio JB FM  (99.9),em duas edições :de segunda à sexta, pela manhã  às 7h50
e  à noite, às 18h15,dentro do Painel JB.E aos sábados e domingos às 10h e
18h.

E a entrevista completa você confere   também no site da
JB FM( <http://www.jb.fm/www.jb.fm).

Foto: Rodrigo Lopes


Lucas Ferreira e os embalos da clarineta ampliam o cenário musical brasileiro

10 novembro 2019 |



O dom que virou profissão e traz ternura a um grande público. Dessa vez, a música instrumental ganha mais um presente e o nome dele é Lucas Ferreira. O jovem de Barra Mansa (RJ), teve contato com a música ainda na infância. Segundo ele, esse encontro foi totalmente despretensioso. Contudo, anos depois, escolheu seguir carreira. “O mundo musical é fascinante e cheio de desafios, e eu adoro isso, faz parte da minha personalidade! A oportunidade de conhecer vários lugares e várias pessoas do Brasil e do mundo também são uma ótima motivação, e a música oferece isso”, ressaltou.

Em entrevista ao CULTURA VIVA, Lucas, um dos clarinetistas mais cotados no momento, falou de suas experiências com o instrumento e deu dicas para quem deseja seguir seus passos na área musical.

Acompanhe!

CULTURA VIVA: Quais foram e ainda são suas maiores influências no clarinete?
LUCAS FERREIRA: Existem grandes artistas brasileiros e internacionais que admiro muito, mas minhas maiores influências sempre foram meus professores, até pela proximidade e contato direto no dia a dia. Todos demonstraram grande paixão pelo instrumento e pela música.

C.V.: Por que o clarinete, entre tantos instrumentos, te chamou mais a atenção? Toca o instrumento desde que idade?
L.F.: A clarineta foi o primeiro instrumento que tive a oportunidade de conhecer depois da minha musicalização. Meu professor já era clarinetista, o que facilitou o acesso ao instrumento. A clarineta me encanta por suas características e por ser um instrumento muito eclético que navega por várias linguagens musicais. Eu toco desde os 12 anos. 

                                                                                              
C.V.: Para ser um bom clarinetista o músico deve treinar todos dias? Por quantas horas?
L.F.: Não existe uma regra geral ou uma quantidade necessária de horas para atingir um nível satisfatório, vai de pessoa para pessoa, mas, geralmente, os estudantes têm o hábito de praticar todos os dias ou quase todos, por horas. Dedicar boa parte do seu tempo ao instrumento faz parte da rotina de quem tem grandes objetivos. Porém, o descanso também é considerado. 

C.V.: Em 2018 você participou do 1º Concurso de Jovens Solistas do IV Gramado in Concert e foi o vencedor. O que este evento significou para você?
L.F.: O concurso em Gramado foi uma experiência muito enriquecedora, foi uma edição muito disputada e com grandes músicos e, como eu já disse, gosto muito de desafios e esse foi muito prazeroso de fazer. Além do, o concurso rendeu muita coisa boa, como voltar em Gramado para realizar dois solos e convites para solar em Natal( RN) e nos Estados Unidos. Essas experiências ficarão marcadas para sempre e sou muito grato por toda oportunidade.

C.V.: No último dia 3 de novembro você participou do programa "Prelúdio" na TV Cultura e foi muito elogiado pelo júri de peso que estava presente. Dá para traduzir a importância de mais essa oportunidade de mostrar seu talento?
L.F.: Participar do Prelúdio foi outra experiência muito bacana! É sempre bom termos espaço para mostrar nosso trabalho e, dessa, na televisão foi uma experiência que eu nunca tinha vivido. Legal ter participado de um programa tão importante para o cenário cultural da televisão brasileira.


C.V.: E quais são seus principais planos para 2020?
L.F.: Sou formado pela UFRJ e estou finalizando meus estudos na Academia da OSESP esse ano, mas como gosto muito de estudar e ainda tenho muita coisa para aprender, gostaria de dar continuidade aos estudos.  Também irei fazer provas para orquestras, pois a estabilidade de um emprego é importante. Além do que uma renda mensal será essencial para compra de materiais de trabalho e para eu ter condições de adquirir um instrumento melhor o mais rápido possível. Esses são dois objetivos para 2020.

C.V.: Que recado você deixa para quem deseja ser um grande clarinetista no futuro?
L.F.: A clarineta é um instrumento apaixonante e nós somos muitos. O Brasil está cheio de jovens clarinetistas tocando super bem, o que é ótimo! A dica é que estejam sempre estudando e ajudando uns aos outros. Essa troca é muito importante. A escola de clarineta e todo cenário musical  no Brasil só tem a ganhar com isso. 

Fotos: Arquivo pessoal de Lucas Ferreira